Abrasel participa de jantar, promovido pela Alshop, em que Ministro pede apoio do empresariado para as mudanças necessárias

alt

Foto (da esquerda para a direita): João Pedro Parolini Neto, presidente da Mastercard; José Semenzato, presidente da Microlins; Ministro Marcos Pereira - Mdic;João Sanzovo, presidente da Abras; Nabil Sayhon, presidente da Alshop; Paulo Solmucci, presidente da Abrasel; George Pinheiro, presidente da CACB; Flávio Rocha, presidente da Riachuelo e Antônio Pipponzi, presidente do IDV


O presidente da Alshop, Nabil Sahyoun, reuniu na noite de 6 de março um seleto grupo de empresários varejistas, entre eles, o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, e autoridades em um jantar com o Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira. Em pauta, a necessidade de acelerar as reformas da Previdência e Trabalhista, de forma a alavancar a retomada do crescimento econômico.

Nabil introduziu a apresentação do discurso, relembrando que o setor varejista – e o Brasil, como um todo – enfrentou momentos turbulentos, especialmente em 2016. E ressaltou que o empresariado é um dos principais responsáveis por capitanear as mudanças necessárias. “A UNECS representa setores com faturamento superior a R$ 1 trilhão. Não podemos ficar parados: precisamos manter o diálogo direto com o Governo para contribuirmos nessa transformação”, disse.

Em seguida, entregou ao Ministro um documento com alguns pleitos do varejo – entre eles, o pedido urgente de desburocratização e financiamento do BNDES com condições razoáveis, de forma a aumentar a competitividade das empresas brasileiras.

Paulo Solmucci, da Abrasel, salientou: “Estamos muito empenhados em apoiar o Governo na Reforma Trabalhista e na Reforma Previdenciária. O Ministro já declarou, publicamente, que é a favor dessa mudança. Então, vamos trabalhar junto com ele para articular no Congresso a aprovação dessa medida e que, posteriormente, o Presidente possa sancioná-la”.

União e colaboração

Marcos Pereira reiteirou que o atual Governo assumiu o país “à beira do abismo” e que a retomada do crescimento passa por medidas extremas. “O Brasil tem de tudo para avançar, mas precisa de uma agenda de reformas”, ponderou. O Ministro ressaltou que o presidente Michel Temer está aberto ao diálogo e às reformas, porém “ele e todo o Governo precisam que os empresários demonstrem os seu apoio às medidas já tomadas e àquelas que precisam ser implantadas. Os empresários não tinham um diálogo fácil com o governo anterior. Então, esse é o momento de demonstrar apoio e avançar com as reformas”, pontuou.

“A importância dessa reunião é ter um diálogo franco com os representantes do segmento, e poder apresentar, mesmo que em resumo, as medidas que o Governo – e, em especial, o MDIC – tem tomado em prol do varejo como um todo. A expectativa é animar todos vocês, pois esse é um momento de animar os investidores, os empresários e o setor produtivo, para que eles possam voltar a acreditar no Brasil e gerar empregos, que é nosso grande desafio”.

A reforma da previdência e a modernização das leis trabalhistas surgiram como as principais metas da gestão de Pereira. Ele afirmou que o MDIC pretende “melhorar o de negócios por meio das desburocratização” e que já traçaram 47 medidas para obter esse resultado. E divulgou: o Governo Federal selecionou 15 dessas medidas para um programa mais amplo e geral de desburocratização. “Para quem pegou o Brasil numa situação extremamente delicada, em desconforto, os sinais desse ano – como a inflação no centro da meta – mostram que já há perspectiva de crescimento para o primeiro semestre. O mercado é que sente e diz isso”, finalizou.

UNECS e as reformas

Os presentes foram bastante receptivos ao discurso de Pereira, inclusive os membros da UNECS, que já tem uma pauta extensa de pleitos e reivindicações junto ao MDIC. O presidente da ABAD, Emerson Destro, lembrou que “ao longo do ano que passou, construímos um pleito bem extenso, há diversas pautas nas quais contamos com a colaboração do Ministro, especialmente para destravar essa máquina brasileira – para darmos mais agilidade e tratarmos da desburocratização, entre muitos outros temas. Temos que trabalhar juntos para melhorar o nosso dia a dia”.

Outros reforçaram aquela que julgam a mudança mais necessária: “O trabalho intermitente é uma das nossas pautas mais importantes. A busca dessa flexibilização com jornada móvel irá resolver um grande problema do setor com a mão de obra e criará milhões de empregos. A modernização das leis trabalhistas e tributárias, tudo o que vier na simplificação do Estado será bem vindo", declarou o presidente da ABRAS, João Sanzovo.

* Com informações da Assessoria de Comunicação da Alshop.